12/03/2017

Primo Augusto: Prisioneiro e não desertor

A 21 de Março de 1917, faz agora 100 anos, o casteleirense Primo Augusto, soldado do Regimento de Infantaria 12 da Guarda, embarcava em Lisboa a bordo do navio inglês Bellerophon com destino ao porto de Brest em França. Era um dos 25 jovens do Casteleiro integrados no Corpo Expedicionário Português que participou na primeira guerra mundial.

Primo Augusto era filho de António Fernandes Carriço e Maria da Conceição. Na sua caderneta militar podemos ler que, passados uns meses, a 13 de Agosto, é punido com quatro dias de detenção por ausência a um serviço e, no dia 27, baixa ao hospital.
Mas, o facto mais relevante é que a 26 de Fevereiro de 1918 é considerado desertor, não tendo pois participado na Batalha de La Lys que ocorreu a 9 de Abril desse mesmo ano. Só quase um ano depois, a 16 de Janeiro de 1919, a sua ficha dá conta da sua presença com a frase “vindo do inimigo”.
Ora, a verdade é que o nosso conterrâneo Primo Augusto não desertou. Foi capturado pelo inimigo e esteve quase um ano no campo de prisioneiros de Dulmen, na Alemanha. Um campo para praças onde, por exemplo, a 24 de Agosto de 1918 estavam 300 prisioneiros. Primo Augusto era um deles.
Cem anos depois é possível “limpar” o nome deste nosso conterrâneo graças a uma investigação junto do Comité Internacional da Cruz Vermelha, onde consta a sua ficha de prisioneiro.
Ficha de prisioneiro
Chegada de prisioneiros. "Ilustração Portuguesa", 10/Fev/2019
Primo Augusto viria a embarcar para Lisboa a 31 de Janeiro de 1919, quinze dias depois de ser libertado, e chegou ao cais de Santos a 4 de Fevereiro, dois anos depois da sua partida.
Da informação que foi possível recolher, Primo Augusto viveu sempre em Gonçalo onde viria a falecer em 21 de Abril de 1960.
 


 
"Reduto", crónica de António José Marques

10/03/2017

Assembleia Geral do Lar


ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA
CONVOCATÓRIA

Joaquim José Felizardo Paiva, Presidente da Assembleia Geral da Associação do Lar e Centro de Dia de S. Salvador do Casteleiro, ao abrigo do disposto no artigo 29º nº 2 alínea b) e artigo 30º nº 1 dos respectivos Estatutos, convoco a Assembleia Geral Ordinária desta Associação para o dia 18 de Março de 2017 (sábado), pelas 19,00 horas, a realizar na sua sede e subordinada à seguinte ordem de trabalhos:
1. Período antes da ordem do dia.
2. Votação do relatório e contas de gerência do ano anterior (2016), bem como do parecer do Conselho Fiscal.
3. Discussão e aprovação das propostas de alteração aos artºs 24º nº 1, 32º nº 1, 41º e 46º dos Estatutos da Instituição de forma a adequá-los ao novo regime legal decorrente DL nº 172-A/2014 de 14/11 que introduziu alterações ao Estatuto das IPSS aprovado pelo DL 119/83 de 25/02, em conformidade com as indicações constantes da carta recebida da Direcção Geral da Segurança Social.
3. Discussão e aprovação de proposta de um Regulamento do Processo Eleitoral dos membros dos órgãos sociais para vigorar e reger futuros actos eleitorais a realizar da Instituição.
4.     Outros assuntos com interesse para a Associação.

NOTAS:
a) Nos termos do disposto no artigo 31º nº 1 dos Estatutos a Assembleia-Geral reunirá à hora marcada nesta convocatória se estiver presente mais de metade dos associados com direito a voto, ou trinta minutos depois com qualquer número de presentes.
b) O relatório e contas de gerência do ano de 2016, a proposta de alteração dos Estatutos apresentada pela Direcção, a carta da Direcção Geral da Segurança Social onde se preconiza as alterações aos artigos dos Estatutos acima referidos, bem como a proposta do Regulamento Eleitoral encontram-se à disposição dos sócios para consulta na sede da Instituição nas horas de expediente.

Casteleiro, 03 de Março de 2017

O Presidente da Assembleia Geral,

(Joaquim José Felizardo Paiva)



22/02/2017

Uma experiência na Altitude

No passado dia 13 de Fevereiro os utentes da Associação do Lar e Centro de Dia de São Salvador do Casteleiro, em virtude da comemoração do Dia Mundial da Rádio, rumaram até à capital do nosso distrito a fim de visitarem as instalações da Rádio Altitude, frequência 90.9 mhz.
Foi com alegria que os nossos utentes puderam ver bem de perto a componente física de uma Rádio, seus espaços, estúdio, redação, salas de reuniões e arquivos musicais. Foi o arquivo, com a presença dos discos vinis que mais impressionou os utentes.
Aqui puderam constatar que a rádio é ainda o meio de comunicação social que mais público alcança e que tem sido capaz de se adaptar na perfeição às novas tecnologias, oferecendo aos ouvintes novos meios de transmissão, nomeadamente online, uma nova interação através das redes sociais e mostrando um pouco mais de si e dos profissionais através de transmissões de vídeo em direto ou de rubricas filmadas e divulgadas em vídeo para o mundo.
Agradecemos em particular ao Jornalista e Repórter Joaquim Martins e Produtor Luís Alberto que acolheram e acompanharam os nossos utentes durante a visita.

A Direção

04/02/2017

FESTA DA CAÇA E GASTRONOMIA RURAL


A Festa da Caça do Casteleiro está de volta. Terá lugar nos dias 27 e 28 de Maio. Este ano a Junta de Freguesia vai mais longe nos objectivos e alterou a designação para “Festa da Caça e Gastronomia Rural”. Porque Caça e Gastronomia são conceitos paralelos, a área de expositores será enriquecida com uma mostra alargada de produtos gastronómicos do mundo rural, designadamente da nossa região. Mas a temática da gastronomia não ficará pelos expositores. Muitas e variadas novidades vão certamente enriquecer o evento. Esteja atento ao programa que neste espaço vamos divulgar. Para já, fica um dos temas centrais da Festa que originará actividades e momentos inesquecíveis: o Pão!
 
 
 



12/01/2017

Mais uma Passagem de Ano na Casa da Esquila

Com o aproximar do fim do Ano de 2016, a CASA DA ESQUILA, sita em Casteleiro -Sabugal, não quis, uma vez mais, deixar de proporcionar e chamar a si, como vem sendo habitual, todos os seus clientes e não clientes aqui residentes e de muitas outras localidades da região e do país, para uma passagem de fim de Ano 2016, em ambiente de um inesquecível e divertido convívio.
 





 
 
 
 
Após a azáfama, numa cozinha de bem confeccionar os mais gostosos pratos e variegadas iguarias para as “Entradas”; após a azáfama de bem acondicionar e embelezar o Salão, com mesas redondas e rectangulares (que lindas estavam!!!...), às 20 horas e 30 minutos, foi dado início à “maratona” de comes e bebes, na Sala do “Gourmet”, com um Bar de bebidas, iscas de presunto, morcela, chouriça e farinheira, feijoada, mini pregos,     saladas, mariscos, bolos, pão, queijos, bolos e doces, etc…,etc…
De seguida, como as mesas, no Salão, artisticamente decoradas, estavam à nossa espera, todos se sentaram, para aí, com requinte, nos serem servidos os pratos de cuja ementa foram:
“Delicioso creme de Cherovia com Fumados Romances de Lagosta e Tomate;
Garoupa com Enchidos;
Suculento Naco de Reco co Risotto de Cogumelos;
Os Três Borrachos;
Vinho tinto da Quinta dos Termos e Beyra Reserva Tinto;
Águas, sumos e café.”
 
 
 
 
 
 
 
 
Após dois dedos de conversa ou duma amena cavaqueira, já bem comidos e bem bebidos, chegou a hora de um pezinho de dança ao som de um excelente “Conjunto” a tocar e a cantar músicas variadas para todos os gostos, proporcionando a todos os presentes momentos de agradável alegria e divertimento até à chegada das doze badaladas (meia-noite) e o ouvir-se os “puns” da tiragem das rolhas das garrafas de champagne, para, conjuntamente com as doze passas, se erguer a taça, festejando, bebendo e pedindo, ao mesmo tempo, que o Novo Ano seja para cada um, em particular, e para todos, em geral, um BOM ANO 2017.








De seguida, como já é habitual, não faltou o vistoso fogo-de-artifício, sempre do agrado dos nossos olhos e o voltar a mais um pezinho de dança, para assim haver melhor apetite para o “Bufett da Meia-Noite”, de novo na Sala do “Gourmett” com:
Bar de bebidas, caldo verde, iscas de presunto, morcela, chouriça e farinheira, fêveras, grão, arroz de pato, bacalhau à Esquila, saladas, sapateiras, gambas, ameijoas, mexilhões, pão, queijos, fruta ao natural e em calda, pudins, arroz doce, fatias de bolos, bolinhos variados, etc.., etc…e, por fim, com a continuação de mais um pezinho de dança, para desgastar, até às 6,30 horas da manhã.
Resta-nos apresentar à CASA DA ESQUILA, na pessoa do seu proprietário, Chefe Rui Cerveira, e a todos os seus colaboradores, um sincero bem hajam pelo excelente serviço prestado com atenciosa eficiência. 
 
Daniel Machado
 
 

17/12/2016

Clube de Caça e Pesca do Casteleiro

A convite da Direcção do Clube de Caça e Pesca do Casteleiro, realizou-se, no já conceituado Restaurante “CASA DA ESQUILA”, em Casteleiro, o almoço anual do Clube de Caça e Pesca do Casteleiro, no passado Domingo, dia 11 de Dezembro, a que compareceram três dezenas de caçadores.
Se a caça, nestes últimos anos, tem sido diminuta, devido, entre outras razões, aos fogos que têm assolado a área do Casteleiro e ao abandono do cultivo das terras que, em tempos, não havia pedaços de terra por cultivar, a Direcção e os caçadores mesmo assim persistem, na certeza de que melhores anos virão, já que as batidas aos javalis e a caça aos tordos lhes agradam e os levam a continuarem a ser sócios.
Sendo a caça escassa, as espingardas, de folga, foram substituídas pelos garfos, colheres e copos, caçando (e que caçada!...) e pescando as melhores iguarias dos variados pratos que a “CASA DA ESQUILA”, em abundância, nos apresentou, à escolha, e bebidas variadas.
Com um agradecimento, muito especial, à Direcção, bem comidos e bem bebidos e após uma sã camaradagem e agradável cavaqueira, com um abraço de adeus até para o ano, assim todos se foram despedindo.
 














Texto e Fotos: Daniel Machado

14/12/2016

Rua das Hortas

 


A quase impossibilidade de, no Inverno, percorrer a pé a Rua das Hortas porque ali confluíam diversas saídas de águas pluviais que arrastavam terra para a via, está finalmente resolvida. A junta de Freguesia levou a efeito a ligação subterrânea de todas as águas entre a Rua do Carmelo e a Rua das Hortas, que agora são encaminhadas em tubagem com cerca de 200 metros para uma “barroca” já existente. Com a realização desta obra, que contou com a colaboração do proprietário do terreno, fica igualmente resolvido o escoamento de águas da Rua do Carmelo que, em algumas ocasiões, atingia já a estrada nacional.

 

19/10/2016

Passado e Presente



Todos os casteleirenses conhecem o local. Todos por aqui passaram centenas de vezes. Esta foto, que me chegou por mão amiga mas que se desconhece o seu autor ou data, depois de inquirições a alguns dos nossos seniores, poderá ter sido obtida na década de cinquenta do século passado. A outra foto, exactamente do mesmo ângulo, foi tirada ontem, 18 de outubro.
Dizia o poeta que “onde não estamos é que estamos bem. Já não estamos no passado, e então ele parece-nos belíssimo”. Acrescento eu, neste caso, que não parece, é belo.
Mas estas duas fotos transportam-nos para a realidade do presente. Ouvi há alguns meses, numa aldeia do concelho, alguém referir “aqui, onde a estrada acaba”. No Casteleiro a estrada não acaba, a aldeia é atravessada em todo a sua extensão por uma estrada nacional. Mas é uma estrada que tem servido para levar gente. Hoje a população é menor que no século XVI. As casas foram recuperadas, novas e muitas se construíram. Mas não estão habitadas.
Contudo, o Casteleiro é a mais bela aldeia. Sempre foi. Porque é a nossa. E quando olhamos uma foto que nos faz recuar no tempo, as certezas são maiores e a energia para olhar o futuro ganha força e vigor.






"Reduto", crónica de António José Marques




17/10/2016

16/10/2016

Atividades do Lar de S. Salvador

“Quando quis tirar a máscara, estava pregada à cara.
Quando a tirei e me vi ao espelho, já tinha envelhecido”
F. Pessoa

Face à aproximação do Dia Internacional do Idoso, a instituição preparou-se com várias atividades no âmbito sociocultural.
Deste modo, os utentes elaboraram postais com mensagens alusivas a esta temática, tiveram oportunidade  também eles de conhecer e, em alguns casos, relembrar os Direitos do Idoso, adoptados pela Resolução 46/91 da Assembleia Geral das Nações Unidas de 16 Dezembro de 1991.
Ao longo da última semana do mês de Setembro, foram realizadas várias dinâmicas de grupo com assuntos referentes ao idoso aspetos biológicos, psicológicos e sociais da velhice.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
No que diz respeito às atividades extra-instituição, salientamos duas destas: Visita ao Centro Comercial Serra Shopping, na Covilhã e Visita à Casa da Música da Bendada, esta última inserida na Comemoração do Dia Internacional do Idoso e Dia Mundial da Música.
A primeira, Visita ao Centro Comercial Serra Shopping, na Covilhã, realizou-se no dia 27 de Setembro onde os nossos utentes puderam visitar este espaço comercial, quer na àrea de acesso ao público em geral, quer nas zonas de acesso restrito, nomeadamente os locais de descarga de mercadorias, locais de separação de lixo assim como portas de acesso mais direto às várias lojas que compõem este Centro Comercial.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Esta atividade, inserida no Plano Anual de Atividades tinha como principal objetivo proporcionar uma tarde diferente aos nossos utentes, onde cada um pôde conhecer estes novos espaços comerciais pudendo experienciar as escadas rolantes e elevador, sendo a maior parte inexperiente nestas “andanças”.
Participando no convite endereçado pelo Municipio do Sabugal, que desde já agradecemos, os nossos utentes participaram ativamente na Comemoração do Dia Internacional do Idoso e Dia Mundial da Música, interagindo com utentes de várias IPSS's ao som da boa música da Banda Filarmónica da Bendada. Antes do lanche convívio houve lugar a um baile, relembrando os tempos de antigamente.

A Direção

02/10/2016

Biblioteca Móvel

Por iniciativa da Câmara Municipal do Sabugal, a Biblioteca Móvel estará no Casteleiro na primeira terça-feira de cada mês, entre as 15h15 e as 16h15. No Largo de S. Francisco, já a partir do dia 4 de outubro.
 

 
 

 

18/09/2016

Arrolamento de bens da Igreja: faltavam os adros!

Em crónica anterior, que pode reler aqui, reproduzi o inventário de arrolamento  de todos os bens da Igreja, realizado no Casteleiro  em 6 de Março de 1912. Uma acção executada na sequência da Lei de Separação do Estado e da Igreja de 20 de Abril de 1911.
O Inventário, bastante exaustivo, tinha, no entanto uma falta: tinham esquecido os adros da igreja e capelas. E, claro, um palmo de terra é um palmo de terra!
 






















E foi assim que, vinte anos depois, a 22 de Julho de 1932, foi feita uma adenda ao documento com a descrição do que estava em falta. Assinaram o documento, o representante do Administrador do Concelho e pela Junta de Freguesia José dos Santos Mourinha. Mais uma vez o pároco de então, António Gonçalves Sapinho, primou pela ausência.
O inventário refere-se, pois, à Igreja Matriz, Capela de São Francisco, Capela do Espírito Santo e Capela de São Sebastião.
 
 
Igreja Matriz: “Um adro pertencente à Igreja, ainda actualmente servindo de cemitério, delimitado pelo lado norte por Manuel José Fernandes Mendes, pelo sul e poente Ferraz de Penamacor e pela nascente pela própria igreja e via pública. Mede 175 metros quadrados.”   
 
 
Capela do Espírito Santo: “Um pequeno quadrilátero de terreno pertencente à capela cujo, noutro tempo, se diz ter sido ocupado por um alpendre. Mede trinta e meio metros quadrados.”
 
 
Capela de São Sebastião: “Um pequeno território que circunda a capela, sito em São Sebastião, que é delimitado pelo nascente, sul e poente por Maria Esteves e pelo norte pela própria capela e via pública. Mede oitenta e um e meio metros quadrados – dentro desta área existem ainda as ruínas de um alpendre”.
 

Capela de São Francisco: “À capela sita no Terreiro do mesmo nome não pertence qualquer território pois que é delimitado pelo nascente pela escola oficial, norte, sul e poente pela via pública”.
Até aos nossos dias não chegou a Capela de São Sebastião, demolida e transladada para o cemitério da Aldeia.
 
 
 
 
 
 "Reduto", crónica de António José Marques
 
 
  
 
 

20/08/2016

Carlos Nabais (BA)


Hoje todos o conhecem por BA, tudo por causa da semelhança, que alguém encontrou, com a forte compleição física de um dos protagonistas da série “Soldados da Fortuna”, popularizada nos anos 80.
O Carlos Manuel Nabais é o mais novo de cinco irmãos: a Maria, o Zé, o Tó e a Esperança. Já a caminho dos 50 anos, nasceu a 10 de Junho, dia de Portugal.
O Carlos é um casteleirense de fibra. Na sua sábia simplicidade transporta valores que ao longo dos anos sempre registei com gosto. Solidário, sempre motivado para uma simples ou complicada ajuda, grande sentido de humor. O Carlos é um homem bom e de bem. Sempre disponível, granjeou já o título de “mordomo vitalício”, dada a sua voluntária participação na preparação e no decurso da anual festa de Santo António. E quem não se deliciou já com as famosas bifanas cujo molho só ele sabe confeccionar.
Esta é uma crónica dedicada a um casteleirense.
BA, Carlos, é alguém que sabe bem o significado de Viver Casteleiro!





"Reduto", crónica de António José Marques



19/08/2016

Almoço/Convívio do CACC


Na semana seguinte, após a Festa de Santo António, como vem sendo tradição, no dia 14 de Agosto, teve lugar, no salão do Centro de Animação Cultural do Casteleiro, o tradicional almoço/convívio, oferecido pela Direcção aos sócios e seus familiares.
Por razões óbvias, neste ano, a aderência não sendo tanta quanto se desejava, os que compareceram, vieram com o espírito de convivência, camaradagem e, é claro, de usufruírem do tradicional almoço de arroz com feijão, febras e carne entremeada, confeccionado pelo sempre disponível e prestável, Manel Leal, na feitura do arroz com feijão e pelo Albertino e “BA”, na assadura das febras e carne entremeada, não faltando, como é óbvio, as variadas bebidas.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
                
 
Para sobremesa, houve, à descrição, queijo, melão e melancia, boa disposição e convívio.
Com um até para o ano, na esperança de que haja uma maior comparência, um bem-haja à Direcção e a todos os que colaboraram para o bom êxito deste salutar convívio.
 
 
 
 
 
 
Daniel Machado